Eletricidade Animal

Energia Vital

Segundo a Wikipédia a energia vital, também chamada de energia psíquica, é um termo utilizado para designar os aspectos da suposta energia gerada pelo pensamento e as emoções.

Já na homeopatia, a energia vital é uma força interna, responsável pelo equilíbrio e manutenção da vida orgânica.  Neste artigo veremos um pouco da evolução sobre como a humanidade trabalhava e trabalha com a energia vital.

Quase todas as religiões relatam a existência de uma energia invisível, foram dados diversos nomes, como alma, aura, prana, energia de vida, fluido medicatrix, energia vital, orgônio, munia, energia cósmica entre outras.

Eu costumo chamar de energia vital, que é a bioenergética, pois sem ela nós morremos. É assim que a medicina define a vida e a morte, quando nosso cérebro para de gerar energia (impulsos elétricos), sem essa eletricidade estamos mortos verdadeiramente, isso é a morte cerebral.

Com a morte nossa memória se apaga como uma memória RAM ( memoria volátil ) de um computador e quando isso ocorre, não existe mais a possibilidade para vida, igual na memória RAM, nossa mente se apaga.

A energia vital é a parte energética de nosso organismo, conhecida a milhares de anos, muitas culturas e religiões, mesmo sem ter idéia de sua existência já praticavam a cura física e espiritual pela energia vital, com técnicas como a energização corporal, imposições das mãos, entre outras.

Mas todas estas formas de energia vital não passavam de técnicas diferentes para um mesmo tratamento, o tratamento da energia vital, a qual quando era restabelecida ou fortalecida era capaz de curar todas as doenças.

Por exemplo, os orientais há milhares de anos atrás já tinham mapeado o caminho da energia vital que corre o nosso corpo, caminho dos pulsos elétricos que comando o nosso movimento, nossas sensações, enfim, o nosso corpo e a nossa vida.

Os primeiros passos da Energia Vital

A imposição de mãos é um ritual religioso, que centenas de religiões e ceitas praticam, ela é feita de diversas maneiras e encontradas em diversas regiões do planeta.

Os índios americanos, africanos, aborígenes e até mesmo os cristãos usam a imposição de mãos , um exemplo é a bíblia que relata no livro de Levisíticos 8:14 ” Então mandou vir o touro do sacrifício pelo pecado, e Aarão e seus filhos puseram as mãos sobre a sua cabeça “, em Atos 6:6 ” Apresentaram esses homens aos apóstolos, os quais oraram e lhes impuseram as mãos “, etc.

Espiritismo Kardecista usa a imposição de mãos para administrar os passes onde o médio “passa” para outra pessoa os fluidos energéticos. Diversas outras Religiões como a Igreja Messiânica Mundial tem como conceito central  o Johrei , que usa a imposição das mãos para canalizar a luz divina no corpo de outra pessoa,  para obter a cura de doenças espirituais e físicas.

Já a terapia Reiki tem como base a canalizar da energia vital pela imposição das mãos. Ela não tem conotação religiosa por isso chamamos de terapia.

Já o Prana, significa em português “ sopro de vida “ e segundo as antigas escrituras indianas é a energia vital universal que permeia o cosmo, absorvida pelos seres vivos através do ar que respiram.

Na filosofia hindu incluindo a yôga, medicina indiana, e de artes marciais, o termo diz respeito a energia cósmica, permeando o Universo em todos os níveis .

Na filosofia vedanta , prana é a noção da força de sustentação dos seres vivos, a energia vital, originando a noção chinesa de Qi.  Prana é um conceito central na Ayurveda e Yoga, onde acredita-se fluir através de uma rede de finos canais sutis chamados nadis.

A Kosha é uma cobertura do Atman (alma), ela é formada por cinco camadas energéticas como as camadas de uma cebola.

As camadas são:

Annamaya kosha, “alimento”
Pranamaya kosha, “energia”
Manomaya kosha “mente”
Vijnanamaya kosha, “sabedoria”
Anandamaya kosha, “felicidade”

Em algumas religiões indianas, o chakra é o ponto de energia do corpo humano. Os Chakras fazem parte do corpo sutil, e não do corpo físico, e como tal, são os pontos de encontro dos canais de energia (não-físicos) chamado nadi.

Energia Vital - chakras

Nadi são canais no corpo sutil através do qual a força vital (prana) (não física) ou energia vital onde se move (não-físicos). Vários textos e ensinamentos apresentar um número diferente de chakras.

Acredita-se que há muitos chakras do corpo humano , de acordo com os textos tântricos, mas há sete chakras que são considerados os mais importantes (imagem acima).

Os Pesquisadores Modernos da Energia Vital

Os primeiros relatos científicos sobre a energia vital foram feitos por Paracelsus,  por volta de 1530, ele era pesquisador, cientista, alquimista, médico e também professor de física, medicina e cirurgia na faculdade da Basileia.

Paracelsus acreditava que existia uma energia que influenciava as pessoas por meio de uma força universal que ele chamou de munia.

Para ele os planetas, estrelas, pedras, metais, podiam exercer forças boas e ruins sobre nosso corpo, ou seja, a munia poderia curar e até matar. O conceito da munia é muito similar ao prana hindu. Paracelsus descreveu essa força como uma energia irradiante e “luminosa”, como uma aura ou similar.

Por volta de 1780 um cientista, médico, físico, biólogo e filósofo italiano chamado Luigi Aloisio Galvani descobriu o que ele chamou de energia orgânica ou eletricidade animal.

Em seu laboratório durante testes em músculos das coxas de uma rã morta, ele percebeu que ela se contraiu ao ser atingida por uma faísca elétrica.

Energia Vital - Eletricidade Animal

Galvani foi um dos primeiros cientistas a estudar a bioeletricidade, padrões elétricos e sistemas nervosos.

Outro cientista de época, Franz Anton Mesmer, um médico alemão, que em 1773 deu início em suas pesquisas que resultaram na teoria do magnetismo animal, também chamada de Mesmerismo.

Anton definiu o magnetismo animal como sendo a capacidade de um indivíduo em causar efeitos similares ao magnetismo mineral em outra pessoa, um espécie de fluido vital, uma energia.

Ele acreditava ser uma força natural invisível exercida pelos animais. A força poderia ter efeitos físicos, incluindo a cura.

No tratamento ele usava imãs para curar diversas doenças. Mas em 1776, ele deixou de fazer uso do ímã como condutor do magnetismo animal, para evitar mal-entendidos por parte dos médicos e físicos. Anton passou a usar água, garrafas e jarras de ferro magnetizados no tratamento.

Existem relatos de diversas curas usando a técnica do magnetismo animal, inclusive publicamente. Anton publicou cartas sobre a cura magnética, esclarecendo em  sua tese de doutorado, e as enviou, como divulgação a alguns médicos.

Mas o magnetismo animal teve grande  rejeição pelas sociedades médicas da época. Devido às suas alegações paranormais e pseudocientíficas  foi considerado, por alguns, um charlatão, porém bastante respeitado por outros.  Ele tentou persistentemente, mas sem sucesso conseguir o reconhecimento científico de suas teorias.

Até Nikola Tesla, o grande mestre da eletrônica em 1898, publicou um artigo na reunião anual da Associação Americana de Eletroterapia nos EUA, intitulado ” Os osciladores de alta frequência para fins Eletro terapêutico e outros.

Nikola Tesla

Tesla afirmava que uma das características mais notáveis observadas foi com as correntes elétricas de alta frequência,  principalmente de interesse para o médico, era a sua inocuidade aparente que tornou possível passar grandes quantidades de energia elétrica através do corpo humano sem causar dor, choque ou qualquer desconforto.

Tesla achava que a eletricidade  movia a vida, mas suas experiencias acabaram sendo voltadas  para a transmissão de energia por questões financeiras.

A mente, o Sexo e a Energia Vital

Já Freud dizia que a libido é uma energia aproveitável para os instintos de vida ou seja o desejo sexual era a energia motivacional primária da vida. Sigmund Freud foi um médico neurologista e criador da psicanálise, trabalhou com técnicas pouco ortodoxias como a hipnose, uso de cocaína, etc.

Segundo ele as causas de doenças eram mais psicológicas do que propriamente orgânicas.  As emoções eram processos de descarga de energia, que são percebidos por nós em forma sentimentos.

Freud dizia que o processo de pensamento é a ativação ou inibição dos complexos de sensações associadas que tornam possível o fenômeno representacional psíquico, o que se dá através da energia que flui no sistema nervoso pelos sistemas de neurônios.

Ele também acreditava que distúrbios do desenvolvimento da libido podiam levar a transtornos mentais.

Energia Vital- alibido

Sigmund Freud  afirmava que o desenvolvimento psicossexual era feito em várias etapas, isso era de acordo com a área na qual a libido está mais concentrada, abaixo as fases e seus exemplos.

O Desenvolvimento Psicossexual Freudiano

Oral  – Primeira fase, é quando o bebê ao chupar ou sugar sente prazer pois a boca é a primeira zona erógena;

Anal – É apenas o prazer das crianças ao controlar ou  eliminar as fezes e urina

Fálica – Também chamado de pré-edipiana, nesta fase a criança começa a perceber a diferença, anatomia e o prazer ao manipular os órgãos genitais;

Edipiana –  O complexo de Édipo,  também chamado de fase Latente, é a fase onde os meninos e as meninas tem uma atenção pelo sexo oposto (pai ou mãe) e o ciumes dos pais do mesmo sexo, um exemplo é o filho apaixonar-se pela mãe e ter ciúmes do pai.

Genital – A fase Genital é a última descrita por Freud , e é a entrada da criança na puberdade ou adolescência.  Na fase Genital é onde ocorre o desenvolvimento e o amadurecimento dos sistemas hormonais, com isso o aumentos dos impulsos sexuais;

As teorias de Freud e seu tratamento  foram controversos em sua época, e continuam a ser usados e questionados mesmo atualmente.

Todos estes trabalhos científicos, exotéricos e religiosos apontam para um mesmo ponto incomum, uma Energia Vital, que nos move e nos mantem vivos.