Bioeletricidade

Bioeletricidade

Pensar no seres vivos como geradores de energia é muito estranho, mas se olharmos com mais profundidade veremos que é a pura realidade.

No filme Matrix os humanos são fonte de energia,  uma ficção cientifica, mas quem sabe um dia com o avanço da ciência nós mesmos podemos gerar a energia que precisamos.

Esta energia se chama Bioenergia, Bioeletricidade, Biomagnetismo, Bioeletromagnetismo ou energia bioelétrica.

A bioeletricidade é a parte da ciência que trata de fenômenos elétricos em sistemas vivos, não devemos confundir com a bioeletricidade que tem o conceito de geração de eletricidade a partir da biomassa, matéria orgânica, geralmente de origem vegetal, usada como fonte de energia limpa.

A com a invenção da pilha elétrica,  aconteceu uma grande revolução e o aumento nas pesquisa sobre a bioeletricidade, pois a pilha elétrica era uma fonte constante capaz de permitir o seu estudo detalhado e profundo no ser humano e animais por tempo indeterminado.

A Bioeletricidade

“ Nós somos o que Geramos ”

O conceito de bioeletricidade é antigo, o fato é que falar que os sistemas biológicos gerassem energia elétrica sempre foi assunto proibido, já que isso remetia a religião, alma, aura e outros assuntos banidos pela ciência até então.

Podemos dizer que a bioeletricidade é a energia encontrada na natureza, e é o estudo da interação entre os campos eletromagnéticos e seres vivos, ou seja os fenômenos elétricos, magnéticos ou mesmo os efeitos eletromagnéticos que ocorrem nos seres vivos, células, tecidos ou organismos.

Bioeletricidade
Foto – Nasa.gov

Estes estudos incluem a bioluminescência, a navegação dos animais por campo geomagnético, etc.  Mas o estudo mais apurado da bioeletricidade só se deu início na década de 70,  pois equipamentos de medição super sensíveis puderam ser construídos e com isso o número crescente de pesquisadores começaram a medir a energia e os campos magnéticos produzidos pelo seres vivos.

Atualmente existem centenas de pesquisas sobre a captação, medição e utilização da energia animal, principalmente para fins médicos, isto vem de encontro as pesquisas realizadas pelos antigos cientistas que em sua época eram considerados loucos pelo simples fato de estarem tentando provar o conceito de Energia Vital e Bioenergia.

Hoje a eletricidade em animais é uma questão conhecida pois ocorrem em vários tipos de células, elas são chamadas de células excitáveis, a célula mais conhecida são os neurônios, mas existem também outras como as células musculares e células endócrinas.

Alguns seres vivos complexos, como alguns animais aquáticos tem sistemas elétricos mais sofisticados, como os tubarões,  eles têm sensores bioelétricos para a eletro recepção, assim eles conseguem detectar uma presa pela eletricidade gerada por ela.

Outro exemplo é o peixe elétrico  que tem um órgão especial que é capaz de gerar uma grande quantidade de energia, esta energia é usada para a caça e para se defender. A energia elétrica gerada é tão grande que é capaz de afugentar e até matar um animal bem maior que ele, é o caso do jacaré.

Já algumas aves migratórias navegam com o auxílio da orientação com relação ao campo magnético da Terra. Este mesmo tipo de orientação acreditá-se que é usado por insetos.

Apesar de todos os avanços tecnológicos, a bioeletricidade e a biologia celular continuam desafiando os pesquisadores de todo o mundo. A cada revista médica novas evidências são publicadas e o consenso entre os pesquisadores é que existe muito a ser descoberto.

Nenhuma hipótese deve ser descartada, até a existência de uma energia vital que ainda não possa ser mensurada.

A Bioenergia

Cientificamente já está mais que provado que nosso corpo é movido por eletricidade, vamos de fatos comprovados,  é só assim que podemos separar o mistico do cientifico e entender como realmente nossa energia flui e como podemos melhorar a nossa saúde.

A energia elétrica humana é gerada por processos químicos nas células, por exemplo, o impulso nervoso é uma onda de atividade elétrica que passa a partir de uma extremidade da célula para outra.

Graças a esta eletricidade podemos nos mover, contrair, expandir os músculos, bater o coração, respirar e pensar. Isso é um fato.

Magnetismo Humano

Da mesma maneira que a energia elétrica ao passar através de um fio ou  qualquer material condutor gera um campo de energia, ou seja, um campo magnético. A eletricidade humana no sistema nervoso cerebral também cria campo magnético, só que de pequenas dimensões.

Há bilhões de impulsos nervosos no corpo e eles constantemente criam campos magnéticos de forma bem mais complexas e desuniformes do que um fio criaria.

Uma das fontes mais fortes de energia eletromagnética é o coração humano Existem equipamentos de medição que são capazes de detectar o campo magnético gerado pelo coração a alguns metros de distância. Isso é outro fato.

Indução Magnética Humana

A alguns anos montei um pequeno aquecedor que em vez de trabalhar com a geração de calor pela resistência elétrica, ele trabalhava por indução magnética ou aquecimento indutivo, era um aquecedor por indução eletromagnética.

A indução eletromagnética é a produção de uma força eletromotriz através de um condutor exposto a um campo magnético.  Como somos capazes de gerar campos magnéticos será que podemos fazer transferência de energia por indução magnética?

O campo eletromagnético humano pode ser sentido, ou pode influenciar outras pessoas? Alguns cientistas dizem que sim,  é possível sentir esta transmissão de energia através de elementos energizados e até através de outras pessoas ou animais.

Todos  devem ter tido a impressão de seu corpo e mente se tornar mais fortalecida e otimista, ou  sentir-se  deprimido ou fraco quando perto de outra pessoa, local ou objeto.

Isso não tem prova cientifica,  devido a não poder ser mensurado, mas alguns pesquisadores constataram este fato e a teoria é que seria proveniente da energia humana.

A energia pode se transformar em diferentes tipos de ondas de energia, com frequências diferentes. Um campo magnético variável induz um campo elétrico variável e vice-versa, então os dois passam a ficar ligados.

Podemos gerar um forte campo magnético que pode induzir correntes elétricas em tecidos condutores, no caso os neurônios no cérebro. Uma vez que este campo magnético penetre o tecido, ele pode gerar pequenas correntes elétricas.

Estas correntes elétricas fazem com que o cérebro tenha uma neuroestimulação ou estimulação transcraniana magnética, um fenômeno conhecido e muito usado na medicina. Veja este artigo sobre Estimulador Cerebral – Eletroterapia – CES.